Celtas e Iberos na Política: Ghjuventù Indipendentista – GI

Posted in Celtas e Iberos na Política, Etnias Celtas e Íberas on 16/08/2018 by Briogáledon

Dando continuidade à seção, e de modo auxiliar a Celtas e Iberos de língua portuguesa, começaremos a falar dos movimentos políticos Celtas e Iberos visando a prover uma introdução àqueles que buscam um caminho ideológico tipicamente ibero-céltico.

Este tópico não significa apoio formal a nenhum dos movimentos aqui apresentados.

Dentro dos grupos identitariamente Corsos ou seja, vinculados ou naturais da Córsega, que apesar da relação haplogrúpica e linguística à população Genovesa, tem uma paleo-história Ibera e se associa identitária e ativisticamente a movimentos iberos como os occitanos e os catalães e outros, trazemos hoje a Juventude Independentista da Córsega ou em língua Corsa Ghjuventù Indipendentista – GI

 

Juventude Independentista da Córsega é acima de tudo um movimento ativista e militante em formato universitário, e tem seu endereço em:

Università di Corsica
20250 Corte, Corse, France

Anúncios

ONG da qual Briogáledon co-participa entra em fase de coleta de documentos

Posted in Campanhas Sociais (Slógadh), Celtismo, Etnias Celtas e Íberas, Fratria, Imprensa, Nova Lima on 15/08/2018 by Briogáledon

Prestando satisfação a nossos membros efetivos, e a quem se entende como membro externo ou como seguidor,

ONG que terá SEDE NACIONAL em NOVA LIMA, MG,  e que já é articulada há vários anos,

Já está em fase de coleta de documentos dos fundadores,  junto a suporte advocatício,

NO TOCANTE A INDAGAÇÕES QUE VIEMOS RECEBENDO POR MEMBROS E SEGUIDORES VIA REDES SOCIAIS E BLOG:

Reiteramos:

  • A priori A ONG NÃO TEM QUALQUER INTERESSE EM PARCERIA A PODER PÚBLICO MUNICIPAL 
  • A priori serão buscados editais Estaduais e Federais em Fomentos Culturais e Científicos pré-existentes, e programas de identidades Celtas e Iberas que nos sejam abertos por países constituintes, países independentes ou comunidades autônomas que já os possuam;
  • A ONG também pretende manter atividades próprias como cursos, seminários, oficinas lúdicas, oficinas artísticas, workshops, palestras e talvez organizar um festival junto a outros grupos identitários.
  • Consideramos que as hipóteses de parcerias a governos específicos da Inglaterra e da Espanha (a entendendo como Castela), possam ter resistências de descendentes de celtas e de iberos de modo que levaremos programas pré-existentes nesses países a avaliação de Assembleia Geral da ONG e mediante presença convidada de Irmandades de Druidaria, Covens de Wicca, e Igreja Ortodoxa Celta, e outros grupos e grêmios pioneiros identitariamente Celtas e Iberos antes de adotar vinculação a qualquer desses programas;
  • Atendendo a demandas étnicas é possível que cartas/emails endossando pedidos de reconhecimento de independências ou aberturas a processos de plebiscito sejam enviadas pela citada ONG a governos que possam pressionar países com contexto de emancipação ou autonomia de nações Celtas ou Iberas nesse sentido, mínima ajuda que a ONG pode prestar;
  • Programas de Pesquisa Identitária Celta e/ou Ibera são previstos junto a Universidades como a Universidade de Coimbra e o Trinity College de Dublin e outras que tenham departamentos de estudos de celtas e/ou iberos;
  • Programas de Assistência a vítimas das Diásporas Celtas e Iberas são previstos na ONG em território brasileiro e em parceria a Ligas Celtas, Ligas Iberas, e ONGs humanitárias diversas como Anistia, Human Rights Watch, Cruz Vermelha e outras poderão considerar este post como interesse prévio de parcerias;
  • A ONG deverá prestar suporte jurídico ou oferecer meios a esse para adeptos de religiões Celtas e Iberas, tais como Wicca, Druidismo Reconstruído, Neodruidismo, Stregheria Celta, Cristianismo Ortodoxo Celta e outras, que venham sofrendo discriminação de algum tipo, e é possível a busca de apoio por Ministério Público;
  • A ONG DEVERÁ PROMOVER TAREFAS EDUCATIVAS NO TOCANTE A IDENTIDADES CELTAS E IBERAS BEM COMO NA CONTEXTUALIZAÇÃO DE SUAS DIÁSPORAS E TAMBÉM AGIR DE MODO MOBILIZADOR JUNTO A OUTROS MOVIMENTOS IDENTITÁRIOS DE OUTRAS MINORIAS ÉTNICAS, antecipando que é bem vinda a parceria a outras minorias étnico-culturais, já sendo previstas parcerias iniciais a organizações afro-brasileiras para lutas comuns, ou transferência de conhecimento mobilizador social. Minorias étnicas e culturais interessadas em lutas em comum podem interpretar este post como interesse prévio.
  • A ONG LUTARÁ PELOS 9 COMPROMISSOS ÉTNICOS DE CELTAS : Compromisso com a Natureza – Compromisso com a Humanidade – Compromisso com a Paz – Compromisso com as Raízes – Compromisso com a Liberdade – Compromisso com a Independência – Compromisso com a Espiritualidade – Compromisso com o Conhecimento – Compromisso com a Verdade
  • A ONG DEVERÁ MANTER UMA NEUTRALIDADE IDENTITÁRIA EM DEMANDAS POLÍTICAS divulgando conhecimento sobre as diversas vertentes ideológicas dentro das etnias celtas e iberas,  mas sem tomar posições únicas, respeitando os direitos dos membros fundadores e dos membros filiados em optar pelos posicionamentos ideológicos seus próprios, já havendo diversidade ideológica entre os fundadores.
  • Capítulos em outros Estados serão autorizados, já havendo preferência de membros efetivos em São Sebastião, SP, para a centralização do Capítulo Estadual de São Paulo, interessados em cooperar com esses poderão ser repassados como contatos por nós.

 

 

Celtas e Iberos na Política: Sortu

Posted in Aonde estão os Iberos, Celtas e Iberos na Política, Cultura e História, Etnias Celtas e Íberas on 30/07/2018 by Briogáledon

Dando continuidade à seção, e de modo auxiliar a Celtas e Iberos de língua portuguesa, começaremos a falar dos movimentos políticos Celtas e Iberos visando a prover uma introdução àqueles que buscam um caminho ideológico tipicamente ibero-céltico.

Este tópico não significa apoio formal a nenhum dos movimentos aqui apresentados.

Sortu
SortuLogo.png

Dentre os movimentos de identidade étnica propriamente ibera em subetnia basca, destacamos hoje o Sortu, que representa a Esquerda Eskaldun, em um socialismo feminista identitariamente basco.

Sortu (nascer, surgir ou criar em basco) é um partido político reconhecido no Reino da Espanha e pertencente ao autônomo País Basco, e cujo âmbito são as comunidades autônomas do País Basco e Navarra, mas também presente no País Basco Francês. Criado em fevereiro de 2011, ideologicamente é atribuída ao nacionalismo basco corrente conhecida como izquierda abertzale, e euskaldun, desde a sua introdução foi considerado herdeiro do ilegalizado Batasuna. Traz como bagagem política o nacionalismo de esquerda historicamente organizada em outras partes como Herri BatasunaEuskal Herritarrok ou Batasuna, tendo com base na resolução Zutik Euskal Herria. Desde o seu processo de elaboração da constituição se vincula à coligação eleitoral com o Euskal Herria Bildu,

Seus objetivos, como seus papéis são uma “Euskal Herria livre, socialista, feminista e euskaldun” e romper com o atual sistema “capitalista, patriarcal, e construir uma sociedade totalmente diferente baseado na democracia participativa.” Quanto à Europa, o objetivo é “mudar a Europa atual com base nos interesses capitalistas e torná-la muito mais humana”. Em sua apresentação, eles dizem que seus caminhos a seguir são “a criação de um Estado basco no quadro europeu”, “canalizar a confiança do espaço político da esquerda nacionalista” e contribuir “alianças políticas e sociais que colocam o soberanismo e movimento de independência na faixa principal da sociedade basca ”

Sortu em espanhol:

Sortu em basco

 

Celtas e Iberos na Política: Galiza Contrainfo

Posted in Celtas e Iberos na Política, Celtismo, Etnias Celtas e Íberas on 30/07/2018 by Briogáledon

Dando continuidade à seção, e de modo auxiliar a Celtas e Iberos de língua portuguesa, começaremos a falar dos movimentos políticos Celtas e Iberos visando a prover uma introdução àqueles que buscam um caminho ideológico tipicamente ibero-céltico.

Este tópico não significa apoio formal a nenhum dos movimentos aqui apresentados.

Em idioma Galego:

“Galiza Contrainfo é unha iniciativa independente, non comercial e autoxerida de contra-información audiovisual galega. Queremos achegar o noso grao de area no campo do vídeo-activismo, apropiándonos das ferramentas que temos ao noso alcance. O camiño polo que optamos representa a posibilidade de utilizar e de experimentar criticamente os novos medios audiovisuais e as redes.”

Em português:

Galiza Contrainfo é o que poderíamos rotular de Imprensa Ativista Galega ou Imprensa Libertária Galega, e desempenha importante papel difusor de manifestações e atividades de grupos libertários galegos. Pode ser considerada um bom exemplo de Imprensa Independente Identitariamente Posicionada que grupos celtas e iberos poderiam imitar.

 

Exemplos de divulgações:

 

 

 

 

 

Celtas e Iberos na Política: Fianna Fáil

Posted in Celtas e Iberos na Política, Celtismo, Etnias Celtas e Íberas on 30/07/2018 by Briogáledon

Dando continuidade à seção, e de modo auxiliar a Celtas e Iberos de língua portuguesa, começaremos a falar dos movimentos políticos Celtas e Iberos visando a prover uma introdução àqueles que buscam um caminho ideológico tipicamente ibero-céltico.

Este tópico não significa apoio formal a nenhum dos movimentos aqui apresentados.

 

Partido Republicano

Fianna Fáil-The Republican Party
Fianna Fáil logo.png

O partido foi fundado em 1926, por Éamon de Valera, como uma cisão do Sinn Féin, pela questão da política de abstencionismo adotado pelos nacionalistas.[2] As origens históricas deste partido remontam à Guerra Civil Irlandesa, em que facção liderada por Éamon de Valera, era completamente contra o Tratado assinado com o Reino Unido, em 1921, e, defendia uma Irlanda, unida e republicana.

O Fianna Fáil, ideologicamente, é um partido tendente ao liberalismo mas dissidência de um partido socialista originalmente monárquico, o Sinn Fein,  em que não é fácil nomear uma linha ideológica aos diferentes membros e apoiantes do partido, nuances de um Celtismo Político em que a complexidade da identidade não cabe nos conceitos políticos Ocidentalizados. O partido, apesar de tudo, sempre foi um partido conservador, tendo, historicamente, relações próximas dos representantes da Igreja Católica na Irlanda. Além disto, o partido também, historicamente, tem tido o apoio dos sindicatos irlandeses, com muito membros sindicais a apoiarem o partido, muito graças aos vários acordos de governos Fianna Fáil com os sindicatos, que protegiam os seus interesses. Esta capacidade do partido, em se aproximar da Igreja e dos sindicatos, prova bem o seu estatuto de partido pega-tudo, com capacidade de, tanto atrair votantes católicos e religiosos, bem como votantes de classe trabalhadora.

A nível económico, o partido tem sofrido grandes transformações. Inicialmente, o partido seguia um modelo que defendia a intervenção do Estado na economia, o protecionismo económico contra concorrência estrangeira, políticas de redistribuição da riqueza e a criação de um Estado de bem-estar social, algo que foi defendido pelo partido até a década de 1990, quando, o partido começou a seguir uma linha económica neoliberal, defendendo uma política de privatizações, cortes no Estado Social, conservadorismo fiscal e políticas que apoiem a liberdade de mercado de concorrência, algo que, contribui para, na década de 1990, um crescimento económico notável, que ficou conhecido como Tigre celta.[12]

O partido também, historicamente, foi um grande defensor da reunificação das Irlandas, mas atualmente, defende que, tal, só poderá acontecer por consenso democrático e popular.

A nível europeu, o Fianna Fáil é membro da Aliança dos Democratas e Liberais pela Europa e, a nível internacional observador da Internacional Liberal.

O líder do Fianna Fáil é Micheál Martin, desde 26 de janeiro de 2011.

Celtas e Iberos na Política: Strollad Breizh

Posted in Celtas e Iberos na Política, Celtismo, Cultura e História, Etnias Celtas e Íberas on 30/07/2018 by Briogáledon

Dando continuidade à seção, e de modo auxiliar a Celtas e Iberos de língua portuguesa, começaremos a falar dos movimentos políticos Celtas e Iberos visando a prover uma introdução àqueles que buscam um caminho ideológico tipicamente ibero-céltico.

Este tópico não significa apoio formal a nenhum dos movimentos aqui apresentados.

Partido Bretão

Parti Breton
(br) Strollad Breizh
image illustrative de l’article Parti breton

 

O movimento foi criado em 2002. Seu objetivo é dar à Bretanha as instituições necessárias para o seu desenvolvimento econômico, social, cultural, ambiental e político. A Bretanha é definida como a atual região administrativa da Bretanha e o departamento do Loire-Atlantique, que inclui Nantes, a antiga capital do Ducado da Bretanha. Suas aspirações incluem autonomia regional comparável a outras regiões europeias como Flandres ou Catalunha, ou independência total, como na Irlanda.

A idéia principal é que a Bretanha sempre foi uma nação, portanto tem direitos e liberdades dentro da União Européia. O Partido Bretão alega a criação de um Estado Bretão, membro da União Europeia, oficialmente reconhecido pelas autoridades internacionais. Argumenta que além do princípio de que uma nação deveria ter direitos independentes, a Bretanha também tem tudo a ganhar com tal processo de emancipação, em frentes econômicas, culturais ou ambientais.

O slogan do partido bretão é “Para uma Bretanha emancipada, ecológica, unida e empreendedora”. Analisando as causas da “estagnação dos movimentos políticos bretãos”, o partido quer “tomar os bretões como eles são e não como se gostaria que fossem”. Em termos do eixo esquerdo-direito, o Partido Bretão é considerado centrista. O principal objetivo é antes de tudo criar instituições políticas bretãs. Reclamando 400 membros, a maioria dos quais não teve nenhuma associação com o anterior movimento bretão, o Partido Breton tem membros da centro-esquerda, como o professor e o empreiteiro Jean-Paul Moisan, de Nantes, ou o centro-direita, como Gérard Olliéric, atual presidente do partido.

2008

2018, dez anos depois, a luta continua firme!

E você: Sabia que a Trança não apenas é Unissex como relacionada à Guerra por Celtas, Alanos e Vikings?

Posted in Cultura e História, Derruba esta Roma!, Etnias Celtas e Íberas on 05/07/2018 by Briogáledon

A trança de cabelo, na Europa, é desde a Idade do Bronze predominante em povos guerreiros como os Celtas e os Alanos (atuais ossetas eurásicos e yázigues húngaros) e na Alta Idade Média foi amplamente usada pelos Vikings, nessas três etnias sendo usada tanto em homens quanto em mulheres, e com a função primeva de segurar o cabelo em combate para evitar que o cabelo comprido batesse nos olhos, ou reduzir o volume para elmos, e depois começou a ter estilos variados com a Arte de Tranças Celtas que é bastante variada e aqui seguem alguns tutoriais.

Essas etnias tinham conhecimento técnico para cortar cabelo e barba, mas não era, e em muitos casos ainda não é, o costume disseminado. Após as Invasões por impérios cruéis como o Império Romano, que impunham o corte de cabelo curto e a feitura completa das barbas, é possível que essa aparência tenha obtido conotação pejorativa, alguém que tivesse cabelo curto ou barba removida, poderia ser associado ao império escravista invasor Romano Antigo, o que é uma interpretação livre, mas ainda são muito comuns cabelos compridos masculinos e longas barbas nessas três etnias, e também as tranças tanto entre homens quanto em mulheres.

Garota Alana Osseta, 1883, com traje típico de origem guerreira (note o peitoral protetivo em geral em prata, também preservado pelos primos Circassianos) e trança. Após o contato com o Islam, o hijab passa a segurar o cabelo no lugar das tranças embora as tranças ainda sejam usadas por povos Alanos e primos desses.

Os ALANOS são a etnia indo-irânica que inspirou a lenda grega antiga das AMAZONAS, as mulheres alanas lutam desde mais de 3.000 anos AC (ver também Sármatas/ Sarmatians, Ossetas, Saurômatas, Saces, Sakas; e os primos : Citas, Scythians, Escitas, Kazakhs, Cossacos, Pechenegues, etc), é relativamente comum alanos contemporâneos que se considerem primos dos Celtas. Os Alanos refundaram Coimbra (após o rei alano pagão Attax/Attaces/ Addax a destruir para evitar que sua amada Cindazunda, princesa Sueva, fosse forçada a casar com outro), e Coimbra desde então traz em seu Brasão o “Leão de Atax”, e Alenquer (“Alan Kerk”, fortaleza dos alanos)  e todas as pessoas que descendem dos sobrenomes Alencar ou Alencastro descendem dos Alanos; como foram eles que introduziram a guerra a cavalo na Europa e são mais antigos que Celtas (na verdade uma mescla de povos paleolíticos, neolíticos e de invasores da Europa da Idade do Bronze como os alanos e os tocarianos), então provavelmente foram os Alanos quem levaram as tranças para a Europa, junto às botas e à luta a cavalo.

Embora o hijab tenha influenciado os véus medievais e chegado aos Celtas, o afastamento do mundo Celta frente a influências urbanas medievais ou do Mundo Persa e Árabe, parece ter preservado a Arte das Tranças.

Entre Celtas no entanto se desenvolveu uma verdadeira Arte das Tranças, havendo também muitos estilos Vikings.

Celtas:

Aqui seguem alguns tutoriais:

ALGUNS EXEMPLOS DE TRANÇAS COM NÓ CELTA 

E agora pros manos…

 

Pro pessoal do Ressurgir Viking, também usado por Celtas: apesar do parco parentesco, ambas as etnias tiveram colônias em que se mesclaram ou conviveram, embora também tenham havido pontos de conflitos:

Pro Viking de cabelo não tão grande que quiser uma trança e pro Celta que quiser copiar :

Pra mulher Viking e pra mulher Celta que quiser imitar:

Para você mulher celta ou viking que vai ter de combater usando espadas e machados e chacoalhar muito a cabeça enquanto dá golpes para decepar alguma parte do inimigo:

PALAVRAS CHAVE PARA PESQUISAR:

  • “Celtic Knot”
  • “Celtic Hairstyles”
  • “Celtic Hair Braids”

PARA SABER MAIS:

17 minutos de curso sobre ESTILOS DE CABELO CELTAS: o que um celta antigo usava ou não em seu cabelo:

Tem ancestrais italianos e se sente mal com as crueldades do Império Romano? Não se sinta! Faz tempo e você talvez nem descenda de Romanos Antigos!

Posted in Acervo Literário, Derruba esta Roma! on 25/06/2018 by Briogáledon

journal.pone.0050794.g001

Este mapa, REFERENTE A DADOS ARQUEOLÓGICOS contido no estudo Uniparental Markers of Contemporary Italian Population
Reveals Details on Its Pre-Roman Heritage (Francesca Brisighelli1,2,3., Vanesa A´ lvarez-Iglesias1, Manuel Fondevila1, Alejandro Blanco-Verea1, A´ngel Carracedo1,4, Vincenzo L. Pascali2, Cristian Capelli3, Antonio Salas1*.) deixa claro e de modo geneticamente indubitável, ainda que dados específicos possam conter erros de amostragens eventualmente, que os genes da área conhecida como Lácio,  não apenas são predominantemente J2, vinculado ao G2 como de sabido considerados Greco-Anatólios, como H, incomum entre povos europeus aos dias de hoje, exceto após as migrações de séculos 20 e 21,

Excerto: “According to archaeological records and historical documentation, Italy has been a melting point for populations of different geographical and ethnic matrices. Although Italy has been a favorite subject for numerous population genetic studies, genetic patterns have never been analyzed comprehensively, including uniparental and autosomal markers throughout the country.”

Impressões PDF:

Composição diferente da vigente, que descreve uma maioria do haplogrupo R1b, de origem atribuída aos Tocarianos, não o único vinculado aos povos Celtas e Iberos, mas um dos mais predominantes entre esses, e também entre outra etnia tribal, os Alanos.

Impressões PDF:

 

romanos minoria

Fonte: Distribution of European Y-chromosome DNA (Y-DNA) haplogroups by country in percentage  (25 de junho de 2018)

Impressão PDF:

Até hoje não sabe que o Império Romano fez crueldades?

Entre outras mais …

Gosta de Celtas? Sabia que já existiam Proto-Celtas na Itália? 

Sim, haviam os Picentes ou Sabélios e outros povos…

picentesFonte : Picentes (Sabellians) (Italics) (25 de junho de 2018)

Impressão PDF:

Sobre Encontros Reconstrutivistas Celtas

Posted in Fratria, Imprensa on 03/06/2018 by Briogáledon

Posicionamento de Briogáleon

  • Não somos uma Organização Religiosa, portanto, não somos “Bosque”, nem “Clareira”, _ lembrando a quem adota essas terminologias que se assemelham à Maçonaria Florestal/ Carbonária_,  tampouco somos Irmandade, Confraria, Ordem ou Coven, embora a ONG à qual estejamos juntos articulando, se pretenda a defender JURÍDICA E SOCIALMENTE, aos adeptos de religiões celtas (o que inclui o druidismo reconstruído, o neodruidismo, a wicca mas também os cristianismos celtas);
  • Não Somos uma Organização Política;
  • Somos uma Organização Comunitária Identitária, nos termos da Resolução 47/135 da ONU e da Convenção 169/OIT , conforme nossa Declaração de Etnicidade – Ratificação Unilateral Eletrônica, de 08/05/2013, assentada sobre Resgate Identitário alinhado pelas pesquisas etnogenéticas de Trinity College/ Dublin, e pelas pesquisas presentes na Base de Dados de Haplogrupos da Eupedia, principalmente, além de outras semelhantes que se possa achar em PLOS, NCBI, NHS Choices, Lilacs, Dialnet, Eric, BASE, e outras bases de dados CIENTÍFICAS;
  • O ARD (Link de Grupo Secreto)_ NOSSO ALTO CONSELHO, atualmente composto por 15 pessoas entre ceannaire (kénaira), conselheiros(as) e observadores(as)_ NÃO TEM NO MOMENTO NENHUMA DEMANDA OFICIAL sobre o Reconstrutivismo embora possa se considerar como óbvio que deva respeitar as leis vigentes do país em que ocorre;
  • É FACULTADO AOS MEMBROS REGULARES E A TODAS AS PESSOAS QUE SE VEJAM MEMBROS DESTA TRIBO participar dos eventos os quais desejar, identitários ou não, nos limites da Lei vigente de seu país, e responsável pelos seus atos individuais, não podendo se dizer representante de Briogáledona menos que ateste ser conselheiro(a) ou ceannaire (kénaira).

Sobre Movimentos Reconstrutivistas Celtas, seguem alguns vídeos para  conhecimento da tribo (oficialmente Briogáledon não é associada, integrada, parceira, colaboradora, aliançada, de quaisquer das entidades e coletivos abaixo):

Encontro Brasileiro de Druidismo e Reconstrucionismo Celta

Outras iniciativas :

Dados em Facebook: algumas Capturas de Tela de Grupos voltados a Druidismo e Neodruidismo, acompanhados pelo Ceannaire (se diz kénaira) de Briogáledon:

Respondendo ao Sr. ANOMINO”, assunto “Greve dos CAMINIONEIROS”

Posted in Fratria, Imprensa on 29/05/2018 by Briogáledon

Sobre o email gentilmente indagando o nosso posicionamento:

 

Prezado Sr. (uma vez que o vocábulo encontra-se no masculino) ANOMINO conforme declarado no Form Emailer, membro do coletivo SEI LÁ,

Para que a TUATH AN AR BRIOGALEDON ou seja a TRIBO BRIOGÁLEDON possa ter uma posição única, seria antes de mais nada necessário que o tema fosse apresentado em pauta por um (a) membro (a) regular, membro(a) ou não do Ard, nosso conselho, para que o mesmo, no exercício de suas atribuições tribais pudesse decidir, já no caso da ONG que se desdobrará a partir de nós e que reúne pessoas de outros coletivos uma hipotética posição dependeria dos termos estatutários daquela ONG embora possa se estimar que assunto dessa envergadura coletiva devesse talvez ser demandado a uma Assembléia Geral uma vez que aquela ONG ainda está em articulação, e que não nos cabe diretamente emanar suas posições, não temos como lhe responder.

Também seria FUNDAMENTAL DEFINIR A QUAL PAÍS se refere essa greve, uma vez que o link Apresentação – Presentation se refere ao fato de estarmos diretamente vinculados a lutas em prol das identidades étnicas e culturais, ou culturalmente-derivadas dos seguintes povos:

Nações e Regiões Celtas e Iberas representados (Celtic and Iberian countries and regions represented):

TODAVIA NO ENTENDIMENTO QUE OS NOVE COMPROMISSOS DE UM DESCENDENTE DE CELTAS os quais não necessariamente sejam aceitos como compromissos iberos, sejam,

Fonte : Irmandade Druídica Galaica

Acreditamos que se possa generalizar que em uma RAIZ ÉTNICA DRUÍDICA CELTA _ que não abarca toda a religiosidade celta, mas se refere a sua origem histórica arcaica _ qualquer greve PARA TER COERÊNCIA AOS NOVE COMPROMISSOS ORIGINÁRIOS DE UM(A) CELTA:

  • não possa sujeitar animais a maus-tratos,
  • não possa impactar a natureza,
  • não possa agredir a paz,
  • não possa desmerecer as raízes de um celta,
  • não possa agredir a liberdade de um celta.
  • não possa agredir a independência de um celta,
  • não possa desmerecer a espiritualidade de um celta,
  • não possa se privar da busca pelo conhecimento,
  • não possa faltar com a verdade.

Não desejando dizer que qualquer greve de algum desses lugares o tenha feito.